ANCHIETA

Santuário Nacional de Anchieta abre votação para escolha do nome do café do monumento

Próxima de ser finalizada, a obra de restauro do Santuário Nacional de São José de Anchieta começa, agora, a dar vida a alguns de seus novos projetos. Um deles é o café, construído para receber melhor os visitantes do monumento e, ao mesmo tempo, ajudar na sua sustentabilidade financeira.

Em fase final de acabamento, o espaço precisa de um nome. Para isso, os gestores do Instituto Modus Vivendi, organização responsável pela obra, decidiram pedir ajuda à comunidade capixaba. A votação acontece na internet (CLIQUE AQUI) e os participantes têm até 15 de fevereiro para escolher entre três opções: Café Rerigtyba (Rerigtyba foi o primeiro nome da cidade de Anchieta que, em tupy, significa lugar de muitas ostras), Café do Santuário ou Café do Padre.

A expectativa da presidente do IMV, Erika Kunkel, é que o café seja um projeto de destaque entre os muitos pontos relevantes do Santuário Nacional de São José de Anchieta. Segundo ela, foi instalado numa área em que não conflita com o monumento e, ao mesmo tempo, oferece uma área de contemplação de toda a cidade, com vistas especiais do rio e do mar, agregando valor ao turismo e ao seu entorno.

 O restauro do Santuário de São José de Anchieta é integralmente aprovado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e está sendo realizada pela Lei de Incentivo à Cultura Federal, com patrocínios do Instituto Cultural Vale e do BNDES. Ele está sendo feito por profissionais especializados, com muito estudo, respeito às normas, responsabilidade e cuidado. Preservar as características originais do monumento, segundo os padrões rígidos internacionais do restauro, é prioridade do Instituto Modus Vivendi.

Saiba mais:

Como qualquer patrimônio turístico e religioso do mundo, Anchieta precisa ter um café, uma lojinha e banheiros (incluindo banheiros acessíveis e espaço para trocar fraldas), que são serviços que garantem o uso sustentável ao monumento. O café se integra a outros anexos, que são a Loja e o Ex-Votos.

Segundo a presidente do IMV, Erika Kunkel, todos esses projetos passaram por estudos que asseguraram a preservação de toda a fachada do Santuário. Eles se localizam numa área lateral, isolada e sem uso, onde, até então, os visitantes não tinham acesso. Também foram construídos respeitando toda a fachada do Santuário e deixando livres a visão da fachada do Santuário e dos seus visitantes. “A obra, inclusive, foi suspensa para que não ocupe o espaço do Santuário e, ao mesmo tempo, preserve a área e sua arqueologia”, reforça a presidente do IMV.

O projeto se pauta numa construção moderna, que respeita todas as normas de restauro e se harmoniza com o Santuário, com suas paredes brancas, com o Arco lembrando a arquitetura da Igreja e da torre de sineira.

As telhas serão as mesmas do Santuário, em formato diferente dos dias de hoje. Elas foram fabricadas especialmente para a obra, a partir de um tamanho padrão atual.

Após sua inauguração, serão realizadas ações educativas com escolas do Estado do Espírito Santo, subsidiando o transporte e a alimentação de mais de 10 mil alunos da rede pública. Promover trabalho, educação e cultura e gerar senso de pertencimento também são objetivos do restauro.

Além dessas obras, o projeto inclui, dentro da construção Jesuítica, a montagem de um Museu, de um Centro de Documentação Jesuítica e de uma Biblioteca, além de acessibilidade e climatização.

Segundo o instituto tudo está respeitando as normas de restauro e a arquitetura jesuítica do século XVI.

CLIQUE AQUI PARA REALIZAR A VOTAÇÃO

Ilda Castro – Instituto Modus Vivendi | 27 999721274 – 3205.1004

Compartilhe!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios